quinta-feira, 22 de Janeiro de 2009

O sistema cardio-respiratório e o seu funcionamento


O aparelho respiratório situa-se numa estrutura óssea expandivel, formada pelas costelas, o esterno e a coluna vertebral.


O aparelho respiratorio, é o conjunto de estruturas do organismo, que possibilita a captação do òxigenio e do ar, e por sua vez elimina o anidrido carbónico. A este processo damos o nome de respiração.



As vias respiratórias


São as vias respiratórias que vão constitutir o percursso que o ar realiza, até chegar aos pulmôes.



Os orgãos que constituem as vias respirtatórias são:


-fossas nasais: onde se dá o iniciar da via respiratoria. As fossas nasais têm uma função de purificar o ar, devido a sua localização.



-faringe: a faringe situa-se por trás da boca e das fossas nasais. Este orgão é comum a dois sitemas: o aparelho respiratório e o aparelho digestivo. A faringe é a responsavel pela recepção do ar das fossas nasais.



-laringe: a laringe situa-se na parte posterior do pescoço. Pela sua parte superior contacta com a faringe, pela sua parte inferior com traqueia. A sua estrutura de formação é uma membrana cartilaginosas, onde as suas unidades estão unidas entre si por ligamentos e musculos próprios. Este orgão é o responsável pela produção da voz e possui no seu interior umas pregas musculares conhecidas por cordas vocais, onde o ar recebido dos pulmões é transformada em som.



-Traqueia: Situa-se entre a laringe e os bronquios e é formada por um conjunto de aneis cartilaginosos que formam um C, que são unidos por uma membrana.



-Brônquios: são formados através da divisão em duas partes da traqueia ao nível da quarta vertebra dorsal cada brônquio, ou também chamado brônquio principal, dá lugar a outro brônquio de menor calibre, denominados brônquios lobares e brônquios segmentares, consoante o lugar do pulmão a que cheguem. Os brônquios segmentares dividem-se por ramificações que atingem tamanhos muito reduzidos terminando no que se conhece como alvéolo pulmonar.



Os pulmões


Os pulmões são orgãos essenciais da respiração, encontram-se alojados na cavidade torácica e separados pelo coração e por o espaço chamado mediastino. A sua consistência é mole, esponjosa e dilatáveis. Tem a forma de uma pirâmide truncada, com base no musculo diafragma e vertice na primeira costela. O pulmão direiro é ligeiramente maior que o esquerdo porque o pulmão esquerdo está alojado do mesmo lado do coração. Os pulmões dividem-se em porções chamadas lobos. Dois sulcos dividem o pulmão direito em três lobos, sendo que um só sulco divide o pulmão esquerdo em dois lobos. Os pulmões revestem-se por uma membrana denominada pleura.





















A respiração
Acção em dois tempos



A respiração pulmonar própria do Homem e dos animais superiores , consiste em absorver o oxigénio do ar que as células necessitam para realizar as suas reacções quimicas internas e eliminar o anidrido carbónico para o exterior e o vapor de água resultante das mesmas. Esta troca de gases realiza-se pr meio do sangue e da circulação.


Mecânica da Respiração


Inspiração




No Homem, durante a inspiração aumentam os três diâmetros torácicos graças principalmente á acção dos músculos inspiradores, que ao se contrairem elevam as costelas. O aumento do diâmetro vertical é devido ao músculo diafragma, que se deve considerar o musculo inspirador mais importante, pois graças á sua acção, combinada com os outros, se consegue o aumento do volume torácico.

Como se produz a entrada de ar nos pulmões?

Os pulmões seguem passivamente os movimentos da caixa torácica, pelo que, ao alargar-se esta, os pulmões se distendem diminuindo a pressão de ar contido nos mesmos e em consequência do seu aumento de volume. O ar exterior precipita-se então pelas vias respiratóriaspara restablecer de novo o equilibrio. Este fenómeno denomina-se inspiração.




Expiração


Ao distenderem-se os músculos inspiradores, contraidos na fase de inspiração, o tórax recupera da sua forma primitiva. As costelas voltam á sua posição inicial, tal como o diafragama, pelo que a capacidade torácica diminui e os espaços pulmonares distendidos coltam também á sua posiçao inicial, pelo que, ao contrário do que ocorria na inspiração, a pressão do ar contido nos mesmos aumentará, produzindo-se a saida de arpara nesta fase restabelecer o equilibrio de pressão. Esse fenómeno é denominado expiração.

































Intercâmbio de Gases


Para que se produza intercâmbio de gases entre o ar e o sangue é necessário que ambos entrem em contacto.Este contacto entre o ar atmosféricoe o sangue produz-se ao nivel do alvéolo pulmonar, através de cuja membrana se produz a passagem de O2 e do CO2. O ar inspirado atravessa as vias respiratórias e chega ao alvéolo pulmonar e, atravessando a sua membrana, chega aos glóbulos vermelhos do sangue, onde, unido quimicamente à hemoglobina, é transportado até ao coração esquerdo para ser distribuido pela rede arterial a todas as células do organismo. Uma vez realizadas as reacções quimicas que estas células necessitam para a sua subsistência, serão lançados no sangue anidrido carbónico e vapor de água, resultantes das mesmas, os quais, através do sitema venoso e por meio das veias cavas, chegaram ao coração direito, donde serão enviados aos pulmões para serem eliminados para o exterior atrávés do ar expirado.




O centro respiratório pode considerar-se o controlador da respiração. Está situado no encéfalo, possui conexões nervosas que recebem informação do que acontece nos pulmões e envia ordens ao diafragma e aos musculos intercostais para a sua contracção ou distensão. O centro respiratório é estimulado pela concentração de anidrido carbónico do sangue. Quando esta concentração ultrapassa os limites normais, estimula-se o centro respiratório enviando então mensagens aos musculos encarregados da inspiração para que actuem, aumentando a frequência e amplitudo dos movimentos respiratórios.


Fenómenos quimicos da respiração



Aparelho cardiovascular


O Coração
O coração é um orgão ímpar situado dentro da caixa torácica entre os 2 pulmões. Tem um volume identico ao de um punho o seu peso pode variar entre os 300 e os 500g no adulto.
O coração tem a função de bomba, indispensável á circulação do sangue portanto, à vida. Esta função é regulada pelo sistema nervoso autónomo mediante o sitema de condução eléctrica do coração, pelo que não se pode regular voluntáriamente a frequência de bombardeamento.É formado por musculatura estriada que é alimentada pelos vasos cardíacos.O coração é um orgão oco, dividido em quatro cavidades separadas entre si duas a duas, mediante válvulas fibrosas que permitem a passagem do sangue num único sentido. Destas cavidades saem ou chegam uma serie de vasos sanguíneos que se dirigem ou provêm da circulação do organismo.


Cavidades cardíacas

São 4 duas aurículas e dois ventrículos . Cada auricula comunica co o ventriculo do mesmo lado, mas nem elas nem os venriculos comunicam entre si no adulto.Todas as cavidades cardiacas estão recobertas por uma capa de tecido elástico, branco de aspecto liso e brilhante que se chama endocárdio.

Aurícula direita

Situada acima e à esquerda no coração. Nela desenbocam as veias cavas superior e inferior. Está separada da aurícula esquerda pelo septo interauricular e do ventrículo direito por um orifício no qual se encontra a válvula tricúspida.

-Aurícula esquerda


Situada acima e á direita do coração. Nela desembocam as veias pulmonares direitas e esquerdas, que transportam sangue arterial (proveniente dps pulmões). Está separada do ventrículo esquerdo por um orifício onde se encontra a válvula mitral.

-Ventrículo direito

O ventrículo direito está situado abaixo e à esquerda do coração. Tem uma musculatura mais potente e tem uma cavidade maior que a aurícula. Os ventriculos separam-se pelo septo interventricular, a este chega sangue venoso vindo da aurícula direita que por sua vez é expulso para a artéria pulmunar.

-Ventricula esquerdo

Está situado abaixo e à direita do coração. A sua cavidade possui a parede muscular mais potente pois tem o dever de expulsar o sangue arterial da aurícula esquerda através da válvula aórtica para a grande circulação.

O miocárdio

O miocárdio é a parede muscular do coração. É constituido por musculo estriado disposto helicoidalmente constituindo desta forma todo o orgão. A disposição das suas fibras vai permitir a contracção e o funcionamento como bomba de perfusão.O coração mantem-se na sua posição por uma membrana fibrosa que o envolve e o fixa ás estrutura próximas permitindo a contracção. Trata-se do pericárdio.


Circulação Coronária

É encarregada de alimentar o musculo cardiaco. É um agrupamento de artérias e veias dispostos em forma de anel, a nivel do suco entre as auriculas e os ventriculos. As artérias coronárias são provenientes da aorta, e as veias desembocam no seio coronário. O enfarte de miocárdio dá-se quando for obstruida a circulação coronária.

Os Movimentos Cardiacos



Sistole: é a contração dos ventriculos para expulsar o sangue proveniente das auriculas para as arterias pulmonares e aorta.


Diástole: é o periodo de contracção das auriculas, simultâneo ao relaxamento dos ventriculos, que permite a passagem do sangue para estes últimos. Este ciclo repete-se sem cessar. Ao apoiar a mão sobre o peito(de uma mulher) podemos apreciar (como os seus peitos sao bons) os batimentos do coração: o primeiro corresponde à diástole e o segundo á sistole.


Aparelho circulatório

Arterias e veias

No aparelho circulatório podemos distinguir fundamentalmente um sistema fechado de canais e um conteudo ou sangue. Através destes canais chegarão aos diferentes orgãos e tecidos do organismo as substâncias nutritivas e o oxigenio necessário á vida. Ao mesmo tempo são recolhidos os detritos resultantes do metabolismo celular para serem conduzidos aos orgãos encarregados da sua eliminação. Os canais do aparelho circulatório não são rigidos pelo que o seu calibre regulado pelo sistema nervoso vegetativo aumenta ou diminui segundo as necessidades fisiologicas do orgão ou da temperatura ambiente(termorregulação).


Morfologia das artérias e a sua função


Chamam-se artérias aos canais que saem dos ventriculos do coração e que levam o sanguen venoso para a periferia do corpo. As artérias são constituidas por três camadas: a intima, mais interna, permite que o sangue deslize facilmente; a túnica média, constituida por fibra muscular lisa bastante potente, permite alterar o calibre da artéria; a adventicia é a camada mais externa. Há inumerasn artérias no nosso organismo pelo que só indicamos as que têm maior significado.


Elas são:
  • Artéria pulmunar ;

  • Artéria aorta ;

  • Artérias subclávias;

  • Artérias carótidas;

  • Tronco celíaco ;

  • Artérias mesentéricas ;

  • Artérias renais ;

  • Artérias ilíacas;

Morfologia das veias e sua função


A nível dos orgãos e seus tecidos, as artérias transformam-se em vasos de calibre cada vez menor, até se converterem em capilares, estes transformam-se em vasos de calibre progressivamente maior, à medida que se aproxima do coração. As mais grossas terminam nas auriculas transportando sangue venoso. As veias são constituidas por 3 camadas de tecido como acontece com as artérias. Salienta-se que as veias pulmonares que provêm dos pulmões desembocam na auricula esquerda levando sangue arterial. As outras veias são paralelas as artérias do mesmo nome, excepto as veias cavas superior e inferior homólogas da aorta.


Circulação sistémica e circulação pulmonar


Circulação sistémica ou grande circulação:


inicia-se no ventriculo esquerdo que expulsa para a aorta o sangue arterial proveniente da auricula esquerda. Da aiorta e das arterias ilíacas nascem novas arterias que vão diminuindo progressivamente de calibre, enquanto dão novas ramificações até se converterem em capilares arteriais. Estes são os vasos de menor calibre, onde as hemácias circulam umas atrás das outras para facilitar as trocas de oxigénio que tranmsportam por dioxido de carbono proveniente dos tecidos. Neste ponto os capilares arteriais tranformam-se em venosos, convertendo-se em veias de calibre progressivamente maior, até chegarem a veia cava superior e a veia cava infeirior, que termina na auricula direita.


Circulação pulmonar ou pequena circulação


O sangue venoso da auricula direita passa para o ventriculo direito de onde é expulso para a artéria pulmonar que se dirige aos pulmões para permitir as hemácias descarregar o dioxido de carbono que transportam e reabastecerem-se de oxigénio. O sangue oxigenado sai dos pulmões pelas veias pulmonares que desembocam na auricula esquerda, onde o sangue comunica com a circulação sistémica para reiniciar o ciclo.


Sistema linfático. Vasos e gânglios



As veias são ajudadas na sua função de drenagem por outro conjunto de vasos: o sistema linfático. O espaço que existe entre os tecidos acumula-se os detritos resultantes do metabolismo celular. Parte desses liquidos passa de novo e directamente para a circulação, mas outra parte, a linfa, passa para o sistema linfático. A linfa é constituida por particulas de grande tamanho, assim como por células do sistema imúnitario e de defesa do organismo.O sistema linfático é formado por uma rede capilar da qual saem os vasos ou canais colectores linfáticos e para os gânglios linfáticos e para os canais colectores terminais que desembocam no sistema venoso: o esquerdo ou canal torácico e o direito ou grande veia linfática. A rede capilar linfática entrelaça-se com a rede capilar sanguinea, se bem que os seus vasos tem maior calibre e as suas paredes sejam mais finas. Os colectores e os vasos linfáticos estão munidos de válvulas, situadas a poucos milimetros umas das outras, que impedem um refluxo da linfa.


Gânglios linfáticos


Cada gânglio é recoberto por uma cápsula fibrosa, que emite prolongamentos para o interior do mesmo, e por tecido linfóide, disposto em forma de nódulos na periferia em forma de cordões na parte central do gânglio. O tecido linfóide é por sua vez mantido por uma malha de tecido reticular. A função do tecido linfóide é sintetizar os linfócitos e os macrófagos, elementos circulantes do sangue e encarregues da defesa do organismo.


Grupos glanglionares regionais

Recebem a linfa de determinado orgão ou território. O facto de um orgão enviar linfáticos a um grupo ganglionar reginonal não significa que este seja tributário exclusivamente desse grupo, pode ser de outros. Os linfáticos so existem nos orgãos que têm capilares sanguineos.



quinta-feira, 15 de Janeiro de 2009

Os principais componetes do sangue

Plasma sanguíneo


O plasma sanguíneo é um líquido amarelado, este coagula de maneira espontânea e que é formado na maior parte por água. O plasma sanguíneo é constituido 90% por água , proteínas, hidratos de carbono sendo o mais importante a glicose, lipidos, gases em solução e sais minerais, o plasma tem também em menor quantidade hormonas, enzimas e anticorpos. O plasma sanguíneo sem fibrinogénio (proteína) tem a designação de soro.

Corpúsculos sanguíneos

Glóbulos vermelhos

Os glóbulos vermelhos ou hemácias são os elementos figurados (com forma ) que mais abundam no sangue, é devido ás hemácias que o sangue apresenta cor vermelha . Num adulto o número normal de glóbulos vermelhos anda á volta de 5 milhões por milímetro cúbico.





Glóbulos brancos




Os glóbulos brancos ou leucócitos, têm um tamanho ligeiramente superior aos glóbulos vermelhos, sendo o seu número inferior. Em 1mm cubico do nosso sangue existe normalmente entre 6000 e 80000 leucócitos tanto nos homens como nas mulheres. A forma dos leucócitos é totalmente esférica possuindo um núcleo e uma membrana muito fina. Os glóbulos brancos são incolores e o seu número vai diminuindo aquando do nascimento até á idade adulta. Os principais locais de formação dos leucócitos é na medula óssea e nos gânglios linfáticos ( Baço e timo ).


Plaquetas

As plaquetas ou trombócitos não são verdadeiras células, mas sim fragmentos citoplasmáticos das células mãe da medula óssea. A quantidade de plaquetas em condições normais varia de 200000 a 300000 por milímetro cúbico de sangue.

Intervenção das plaquetas na formação do coagulo sanguineo

quarta-feira, 14 de Janeiro de 2009

O sangue


"O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Numa pessoa normal sadia, cerca de 45% do volume de seu sangue são células (a maioria de glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas).
O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
Este movimento circulatório do sangue ocorre devido à atividade coordenada do coração, pulmões e das paredes dos vasos sanguíneos. O sangue transporta ainda muitos sais e substâncias orgânicas dissolvidas.
No interior de muitos ossos, há cavidades preenchidas por um tecido macio, a medula óssea vermelha, onde são produzidas as células do sangue: hemácias, leucócitos e plaquetas."